Tags

, , , , ,

Esse texto é postado em homenagem a duas amigas mineiras que tenho.


Dedico-o a Larissa Andrade, que conheci no IPL 2009 (sem comentários), cuja presença  radiante e cheia de um sotaque carregado, além de muitas brincadeiras, me deixou saudades.

Dedico-o também a uma mineira de Gov. Valadares, Rafaela (não sei se com “f” ou “ph”),  que conheci no ônibus ontem e que está morando aqui em Natal. [Se vc chegar a ver este post, saiba que era esse o texto que eu te falava, que era atribuido ao Drummond! rs].

___________________________________________________________

As Mineiras
atribuido [há controvérsias] à Carlos Drummond de Andrade.

O sotaque das mineiras deveria ser ilegal, imoral ou engordar.
Porque, se tudo que é bom tem um desses horríveis efeitos colaterais, como é que o falar, sensual e lindo ficou de fora?
Porque, Deus, que sotaque!

Mineira devia nascer com tarja preta avisando: ouvi-la faz mal à saúde.
Se uma mineira, falando mansinho, me pedir para assinar um contrato doando tudo que tenho, sou capaz de perguntar: só isso?
Assino achando que ela me faz um favor.

Eu sou suspeitíssimo. Confesso: esse sotaque me desarma.
Certa vez quase propus casamento a uma menina que me ligou por engano, só pelo sotaque.
Os mineiros têm um ódio mortal das palavras completas.
Preferem, sabe-se lá por que, abandoná-las no meio do caminho (não dizem: pode parar, dizem: ‘pó parar’).

Os não-mineiros, ignorantes nas coisas de Minas, supõem, precipitada e levianamente, que os mineiros vivem – lingüisticamente falando –
apenas de uais, trens e sôs.
Digo-lhes que não. Mineiro não fala que o sujeito é competente em tal ou qual atividade.
Fala que ele é bom de serviço.

Pouco importa que seja um juiz de direito, um jogador de futebol ou um ator de filme pornô.
Se der no couro – metaforicamente falando, claro – ele é bom de serviço.

Faz sentido…

Mineiras não usam o famosíssimo tudo bem.
Sempre que duas mineiras se encontram, uma delas há de perguntar pra outra: ‘cê tá boa?’
Para mim, isso é pleonasmo. Perguntar para uma mineira se ela tá boa é desnecessário.

Vamos supor que você esteja tendo um caso com uma mulher casada.
Um amigo seu, se for mineiro, vai chegar e dizer:
Mexe com isso não, sô (leia-se: sai dessa, é fria, etc).
O verbo ‘mexer’, para os mineiros, tem os mais amplos significados.
Quer dizer, por exemplo, trabalhar.
Se lhe perguntarem com que você mexe, não fique ofendido.
Querem saber o seu ofício.

Os mineiros também não gostam do verbo conseguir.
Aqui ninguém consegue nada. Você não dá conta.
Sôcê (se você) acha que não vai chegar a tempo, você liga e diz:
Aqui, não vou dar conta de chegar na hora, não,sô.

Esse ‘aqui’ é outro que só tem aqui.
É antecedente obrigatório, sob pena de punição pública, de qualquer frase.
É mais usada, no entanto, quando você quer falar e não estão lhe dando muita atenção: é uma forma de dizer, ‘olá, me escutem, por
favor’.
É a última instância antes de jogar um pão de queijo na cabeça do interlocutor.

Mineiras não dizem ‘apaixonado por’.
Dizem, sabe-se lá por que, ‘pêxonado com’.
Soa engraçado aos ouvidos forasteiros.
Ouve-se a toda hora: ‘Ah, eu pêxonei com ele…’.
Ou: ‘sou doida com ele’ (ele, no caso, pode ser você, um carro, um cachorro).
Elas vivem apaixonadas ‘com’ alguma coisa.

Que os mineiros não acabam as palavras, todo mundo sabe.
É um tal de ‘bonitim’, ‘fechadim’, e por aí vai.
Já me acostumei a ouvir: ‘E aí, vão?’. Traduzo: ‘E aí, vamos?’.

Não caia na besteira de esperar um ‘vamos’ completo de uma mineira.
Não ouvirá nunca.
Eu preciso avisar à língua portuguesa que gosto muito dela, mas prefiro, com todo respeito, a mineira.
Nada pessoal.
Aqui certas regras não entram. São barradas pelas montanhas.

No supermercado, não faz muitas compras, ele compra ‘um tanto de côsa’.
O supermercado não estará lotado, ele terá ‘um tanto de gente’.
Se a fila do caixa não anda, é porque está ‘agarrando’ [aliás, ‘garrando’] lá na frente. Entendeu? Agarrar é agarrar, ora!

Se, saindo do supermercado, a mineirinha vir um mendigo e ficar com pena, suspirará: Ai, gente, que dó.
É provável que a essa altura o leitor já esteja apaixonado pelas mineiras.

Não vem caçar confusão pro meu lado.
Porque, devo dizer, mineiro não arruma briga, mineiro ‘caça confusão’.
Se você quiser dizer que tal sujeito é arruaceiro, é melhor falar, para se fazer entendido, que ele ‘vive caçando confusão’.

Para uma mineira falar do meu desempenho S.e.x.ual, ou dizer que algo é muitíssimo bom vai dizer: ‘Ô, é sem noção’.
Entendeu, leitora? É sem noção! Você não tem, leitora, idéia do ‘tanto de bom’ que é.
Só não esqueça, por favor, o ‘Ô’ no começo, porque sem ele não dá para dar noção do tanto que algo é sem noção, entendeu?

Capaz… Se você propõe algo e ela diz: capaz!!!
Vocês já ouviram esse ‘capaz’? É lindo. Quer dizer o quê? Sei lá, quer dizer ‘ce acha que eu faço isso’? com algumas toneladas de ironia…
Se você ameaçar casar com a Gisele Bundchen, ela dirá: ‘Ô dó dôcê’.
Entendeu? Não? Deixa para lá.

É parecido com o ‘nem…’. Já ouviu o ‘nem…’?
Completo ele fica:- Ah, nem…
O que significa? Significa, amigo leitor, que a mineira que o pronunciou não fará o que você propôs de jeito nenhum.
Mas de jeito nenhum.

Você diz: ‘Meu amor, cê anima de comer um tropeiro no Mineirão?’.
Resposta: ‘Nem…’ Ainda não entendeu? Uai, nem é nem.

A propósito, um mineiro não pergunta: ‘você não vai?’.
A pergunta, mineiramente falando, seria: ‘cê não anima de ir’?
Tão simples. O resto do Brasil complica tudo.

É, ué, cês dão umas volta pra falar os trem…
Falando em ‘ei…’.
As mineiras falam assim, usando, curiosamente, o ‘ei’ no lugar do ‘oi’.
Você liga, e elas atendem lindamente: ‘eiiii!!!’, com muitos pontos de exclamação, a depender da saudade…
Tem tantos outros…

O plural, então, é um problema. Um lindo problema, mas um problema.
Sou, não nego, suspeito.
Minha inclinação é para perdoar, com louvor, os deslizes vocabulares das mineiras.

Aliás, deslizes nada.
Só porque aqui a língua é outra, não quer dizer que a oficial esteja com a razão.
Se você, em conversa, falar: Ah, fui lá comprar umas coisas…
Ques côsa? – ela retrucará.
O plural dá um pulo. Sai das coisas e vai para o que.

Ouvi de uma menina culta um ‘pelas metade’, no lugar de ‘pela metade’.
E se você acusar injustamente uma mineira, ela, chorosa, confidenciará:
Ele pôs a culpa ‘ni mim’.

A conjugação dos verbos tem lá seus mistérios em Minas…
Ontem, uma senhora docemente me consolou: ‘prôcupa não, bobo!’.
E meus ouvidos, já acostumados às ingênuas conjugações mineiras, nem se espantam.
Talvez se espantassem se ouvissem um: ‘não se preocupe’, ou algo assim.

A fórmula mineira é sintética. E diz tudo.
Até o ‘tchau’ em Minas é personalizado.
Ninguém diz tchau pura e simplesmente.
Aqui se diz: ‘tchau procê’, ‘tchau procês’.
É útil deixar claro o destinatário do tchau.
Então…

Anúncios