Poema meu, baseado no livro de mesmo nome, escrito por Sto. Agostinho de Hipona

____________________________________________________________________________________________

O sol que se pôs, nasceu outra vez,
Se fez surgir uma nova manhã.
O meu olhar deseja paz,
Deseja descansar na tua alma (presença).

 

Tento esquecer meu dolorido passado,
Mas quero manter-lhe vivo na minha mente
Minha vida que está inquieta!
Preciso do seu poder para transformar meu presente…

 

Minha alma não descansa
Pois fui feito pra você
Minha não descansa
Enquanto não voltar pra você

Quero me render ao fascínio desta vida.
Intensa, louca, efêmera tela,
Que por obra de Tuas palavras,
Pode se tornar cada dia mais bela …

 

Meu sofrimento se desfaz
Se meus olhos encontram Teu olhar.
Meu caminho para o céu começa aqui
Se meu coração escravo é preso ao Teu amar

 



Creative Commons License
Confissões by Jônatas Souza de Abreu is licensed under a Creative Commons Atribuição-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Permissions beyond the scope of this license may be available at jonatassouza.wordpress.com.

Anúncios